3 de fevereiro de 2012

...Um Oceano Que Nos Queima, Um Incêndio Que Nos Afoga...


Fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido
com roupa passada a ferro, rastos de chamas dentro
do corpo, gritos desesperados sob as conversas: fingir
que está tudo bem: olhas-me e só tu sabes: na rua onde
os nossos olhares se encontram é noite: as pessoas
não imaginam: são tão ridículas as pessoas, tão
desprezíveis: as pessoas falam e não imaginam: nós
olhamo-nos: fingir que está tudo bem: o sangue a ferver
sob a pele igual aos dias antes de tudo, tempestades de
medo nos lábios a sorrir: será que vou morrer?, pergunto
dentro de mim: será que vou morrer?, olhas-me e só tu sabes:
ferros em brasa, fogo, silêncio e chuva que não se pode dizer:
amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga.

José Luís Peixoto

Bocas OnLine

14 comentários:

Anónimo disse...

"um oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga" adorei o poema, adorei esta parte.

«não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. eu não: quero é uma verdade inventada.»


clarice lispector

Seraphyta disse...

"...quero é uma verdade inventada"

Gostei :))

Obrigada!

Anónimo disse...

Pelos vistos alguns gostos temo-los comuns. serão os mais importantes? :-)))))))

QUIM disse...

Dilacerante quanto baste...rs...Quando andava nessa fase perguntava-me se estaria a ficar louco..e perguntava-me como é possivel as pessoas terem tão fraco caracter...as pessoas falam tanto daquilo que não sabem e muito daquilo que não sentem...bj bom fim de semana..

Seraphyta disse...

Dear Anónimo,

Ter gostos em comum é um príncipio mas não o suficiente :)))

Seraphyta disse...

Quim,

O Luís Peixoto (d)escreve de uma forma especial os sentimentos.
Dilacerante é o livro "Morreste-me"...fiquei sem palavras quando o li, em asfixia.

Bj

Anónimo disse...

Dear Stranger, mas o que é necessário para tudo se iniciar? Um principio... e se for um bom principio melhor ainda :-)

Bom fim de semana, irei fazer-te umas visitas (aliás há um poema da Florbela que fala de visitas à tardinha - essa hora de mágicos cansaços)

Seraphyta disse...

Dear Stranger,

Ter gostos em comum poderá ser um príncipio...o princípio de uma amizade, por exemplo, e que se for bem alicerçada, pode ter pernas para andar.

O poema da Florbela lembrou-me o do Ary.

:))) Obrigada

Anónimo disse...

Desperta-me, qual do Ary?
O da Florbela que me referia era:
"Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços..."

E o desperta-me deste inicio fez-me lembrar um da Maria Teresa Horta (Desperta-me de noite o teu desejo), mas isso são outros quinhentos :-P

Seraphyta disse...

Dear Stranger,

Eu sei que te referias a este,

"Se tu viesses ver-me hoje à tardinha..."

E quando mencionei o Ary, referia-me ao "Estrela da Tarde"

"Era a tarde mais longa de todas as tardes
que me acontecia
eu esperava por ti, tu não vinhas
tardavas e eu entardecia..."

É isso, a Teresa Horta são outros quinhentos :))))

Anónimo disse...

Ah Stranger e dear :-)
Bem precisava de ser despertado, pelo desejo ou não. Como não me fui lembrar da estrela da tarde, talvez pelo complexo de Peter Pan e não ter vontade nenhuma de entardecer.
Mas entardeço também à espera, provavelmente da sétima onda como o Lobo Antunes :-)
Uma boa noite

"Quando eu era criança diziam-me:
- Toma atenção à sétima onda. A sétima onda
é diferente das outras.
Nunca soube entender qual era a sétima onda,
a diferente das outras.
O que me lembro melhor são as manchas das nuvens na água. Os bancos de algas. O banheiro de mão em pala na testa, prolongando a boina branca. Vozes.
Agora eis-me surda à esquerda, do lado do coração.
..."
(António Lobo Antunes)

Seraphyta disse...

Dear Stranger,

O complexo do Peter Pan...Lembra-me algo :))

Anónimo disse...

A mim lembra-me alguém.
Mas deve ser um engano.
Engano-me muito eu
Ou talvez não...

Seraphyta disse...

Dear Stranger,

Tens razão. O complexo do Peter Pan também me faz lembrar de alguém...E tal como tu, posso estar enganada.